Descubra seu
ARCANO PESSOAL
Nossos
CURSOS
Whatsapp:
(24) 99227-2726
Área do Cliente

|

A Estrela e o Simbolismo da Genuflexão

Triregnum, a Tiara Papal
outubro 27, 2023
02 de Ouros: Sua Distração Lhe Custará Caro
outubro 30, 2023
Triregnum, a Tiara Papal
outubro 27, 2023
02 de Ouros: Sua Distração Lhe Custará Caro
outubro 30, 2023

“Le Stelle” (The Classic Tarot di Carlo Della Rocca, 1835).

O sentido etimológico da palavra genuflexão, vem do latim “genuflexione”, oriunda de “genuflectere”, que significa dobrar o joelho, ajoelhar; numa forma figurativa bajular, adular, reverenciar. Pode ser tomada, também, como um ato de respeito, submissão. No aspecto religioso, adorar.

O ato de genuflectir, ou seja, dobrar o joelho, pode ser analisado de duas formas: dobrando o joelho esquerdo reverencia-se a majestade representando o poder humano: os reis, rainhas, imperadores, monarcas. É a forma usual dos súditos prestarem aos soberanos sua inteira submissão e o mais irrestrito respeito, obediência, pondo-se ao seu serviço para toda e qualquer eventualidade. Dobrando-se o joelho direito é um ato de adoração, exclusivo da Divindade. Significa o culto a Deus, pois, somente Deus é adorado. Dessa forma não podemos dobrar o joelho direito às criaturas, seja qual for a autoridade que represente.

No arcano XVII (a “Estrela”) podemos observar uma mulher despida com o joelho esquerdo apoiado no solo. Parece contraditório, uma vez que seria mais coerente ter o joelho direito dobrado, como forma de adoração. No entanto, a genuflexão neste arcano sugere mais um ato de humildade do que submissão ou reverência. Quando os dois joelhos estão dobrados em contato com o solo sugerem oração e reafirmação da fé. Mas, o joelho esquerdo em genuflexão indica entrega, despojamento, simplicidade e comunhão com a natureza. Apesar de manipular a água das ânforas, a mulher possui uma conexão especial com a terra. O arcano, em tal ato, também sugere gratidão. Na cultura africana, como citado na obra “O Candomblé da Bahia (Rito Nagô)” do sociólogo Roger Bastide, na página 51, é dito o seguinte: “O regente levantou-se, fêz ligeira genuflexão sôbre o joelho esquerdo e concentrou-se como em oração. Depois tomou da quartinha, lançou um pouco d’água de cada lado dos tabaques, e em seguida deitou na bôca um punhado de obi.”. Parece haver uma distinção clara entre o ato de adorar ou orar entre os ritos afros e ritos cristãos.

“Le Stelle” (The Classic Tarot di Carlo Della Rocca, 1835).

Quero deixar claro que o ato no arcano 17 não tem caráter sacro ou religioso: sugere muito mais uma postura flexível, menos exigente e pacífica no que tange ao enfrentamento dos problemas perante a vida. Lembremos que a “Estrela” sugere também inspiração, descarga, confiança no porvir e alívio. A figura intenciona a um banho (ao que parece) e, nos lembra de tudo aquilo que devemos deixar para trás para alcançarmos a providencial paz.

● Referências:
– BASTIDE, Roger. O Candomblé na Bahia (Rito Nagô). Companhia Editorial Nacional. São Paulo. 1961. Disponível em: https://bdor.sibi.ufrj.br/…/313%20PDF%20-%20OCR%20…
Giancarlo Kind Schmid
Giancarlo Kind Schmid
Vivendo em meio aos livros desde criança na biblioteca de meu pai, despertei interesse logo cedo por Literatura e História. Aos onze anos, comecei a me identificar com História Antiga, mais precisamente Egiptologia e afins. O primeiro contato com o mundo esotérico surgiu das pesquisas feitas com Piramidologia e estudos sobre energia cósmica.

Comments are closed.

Enviar Mensagem
Deixe-me por escrito o assunto ou questão de seu interesse.