Descubra seu
ARCANO PESSOAL
Nossos
CURSOS
Whatsapp:
(24) 99227-2726
Área do Cliente

|

A Difícil Estrada do Tarólogo

Há um significado oculto por trás das cores do tarô de Marselha?
fevereiro 12, 2024

Algumas pessoas, até hoje, acreditam que, por eu ser tarólogo, tenho uma vida fácil, sem maiores atropelos ou dificuldades. Quantas vezes não ouvi quando mais novo: “quando é que você vai tomar realmente um rumo em sua vida profissional?”.

Tarologia é profissão. Agora, respaldada também pela lei. Sim, há alguns anos um oraculista de qualquer gênero poderia ser preso por “explorar a boa fé alheia e por estelionato”. A lei federal 9521 (27/11/1997) revoga o decreto-lei 3688 (3/10/1941) que enquadrava as atividades oraculares como contravenção penal (tarô, runas, astrologia, I Ching, vidência etc.). Assim, a partir de 9/10/2002 o Ministério do Trabalho reconhece o tarólogo e o cartomante (entre diversos segmentos esotéricos) como ocupação profissional sob o código 5168-05 (comentários em itálico de Nei Naiff). Ainda assim, sofremos um enorme número de preconceitos facilitados pelo desconhecimento de nossas práticas ou pura ignorância religiosa.

Ao longo de quase três décadas, pude experimentar ‘na própria carne’ o desatino que cerca o mundo tarológico dentro e fora dos bastidores. Com a veiculação maciça de informações na mídia, que me transformaram, diversas vezes, em representantes de ‘Mãe Dinah, Walter Mercado e David Copperfield’, sempre ficamos órfãos por não contarmos com nenhum sindicato ou representação jurídica que pudesse falar em nosso nome. Ou seja, se a novela das oito caracteriza a personagem de cigana e esta exerce levianamente o papel de cartomante na tela, no dia seguinte, se não recebemos ironicamente o apelido da personagem, passamos a ser questionados sobre a seriedade de nosso trabalho. Fora isso, temos os programas de auditório, reportagens em diversas revistas superficiais, notícias eventuais que trazem à baila a dúvida sobre a credibilidade em nossa atividade. Até em TV paga já vi o ilusionista americano Criss Angel falar mal do tarô, classificando-o como “ilusão barata”. Raramente a mídia nos apoia e quando normalmente o faz, é em proveito próprio.

Sobre as reações de religiosos, não há muito o que falar. Quem é preconceituoso, não deixa de sê-lo da noite para o dia, isso exige uma quantidade absurda de informações para elucidar as pobres mentes fechadas. Nos anos 90, muitas vezes eu mesmo confeccionava os cartazes, fazia cópias dos mesmos, e saía de uma ponta da cidade à outra, colocando as minhas propagandas em estabelecimentos comerciais. Algumas vezes, alguns religiosos reacionários rasgavam os cartazes, riscavam os números de telefone com caneta e, quando não, tiravam o cartaz na minha frente, sem cerimônias. Como eu não quero alimentar um preconceito contra o fanatismo alheio, acabo me resignando à ideia de que a estupidez sempre há de existir nos meios religiosos mais conservadores, independente ou não de representar a classe tarológica. Um dos males que eu percebo no discurso de alguns religiosos no extremo oposto, é que somos médiuns e não deveríamos cobrar pelo nosso trabalho. Se já não bastasse a pressão dos grupos supracitados, ainda somos estigmatizados como ‘aproveitadores dos recursos espirituais que Papai do Céu nos legou’; ou seja, se não formos para o inferno por exercer a prática, seremos por cobrarmos por ela. Dificilmente, entre essas pessoas mal informadas, há a consciência de que investimos pesado em nossa profissão: seja em livros, cursos, baralhos ou no próprio bem estar, já que precisamos de equilíbrio para atendermos o público.

Um outro problema típico são os espertalhões de plantão. Dentro de nossa família sempre tem alguém que “quer tirar uma casquinha de nosso trabalho”, como se estivéssemos à disposição vinte e quatro horas e não contássemos com vida particular. Frases como: “quebra o meu galho”; “ah! é só uma perguntinha”; “já que você é o único cartomante da família, tira a minha dúvida, vai” são super comuns. Nesse tipo de discurso, percebo que nem sempre há, realmente, interesse da pessoa em sanar o seu problema, mas usar-nos como passatempo para distrair suas tediosas vidas (nada muito diferente do que acontecia com os bufões nas cortes medievais). Quando alguém nos pede uma consulta ‘de graça’ está desqualificando-nos, tornando-nos menores, desprezando a seriedade de nossa profissão. Se há uma troca de favores, de serviços, menos mal. Não somos, portanto, “máquinas caça níqueis de adivinhação”, onde se coloca uma ficha e saímos revelando coisas. Passei, dessa forma, a não ter um baralho sempre à mão, porque, fico tentado a ajudar. Chega uma hora que se torna exploração esse lance de toda hora resolver “pepinos alheios”. Até porque, raramente o público dá valor ao que não é cobrado. Ainda acabamos por ouvir, por negar atendimento: “você não deveria negar-me consulta. É sua missão, é caridade, você não é um bom profissional” (como se “ser bom” fosse mensurado por nossa disponibilidade). Sempre tem esse tipo de gente ao longo do caminho que se esquece que também temos compromissos e problemas a resolver.

Durante a prática, alguns desafios são típicos e marcam, normalmente, nossa jornada. Um deles é a relação com alguns consulentes. Algumas pessoas que nos chegam, ainda alimentam a crença de que, se estão pagando, vão dirigir a consulta. Falam, te interrompem dezenas de vezes, e no final, reclamam que o trabalho não rendeu. Ora! Então, digníssimo, feche a sua matraca e nos deixe trabalhar! Não quero generalizar, mas há todo tipo de público: aqueles que querem nos testar, aqueles que querem nos ironizar, aqueles que querem arrancar informações privilegiadas (como se trabalhássemos para o FBI ou KGB), aqueles que querem pagar para ouvir o que convém, aqueles que querer ser paparicados ou bajulados, aqueles que querem rebater e debater com você, aqueles que querem te induzir ao erro, entre tantos outros. O que nos salva, é que a grande maioria que nos procura o faz por necessidade e por confiar em nosso trabalho. Meritória é a propaganda ‘boca a boca’ que, por uma questão de identidade de grupo, nos traz as pessoas que precisamos atender. Ainda há casos excepcionais, como consulentes (amigos de outros ‘profissionais’), que nos ligam querendo obter informações sobre nosso trabalho ou procurando investigar nossa atuação. Quando isso acontece, reflete apenas a insegurança e despreparo daqueles que, pensam controlar e ser donos do mercado em si – esse tipo de ação é infame a infantil. Nem entrarei em detalhes sobre consulentes que choram descontos, querem ‘meia consulta’ ou ainda te ligam às duas da manhã querendo que nós resolvamos seus problemas (na época do ‘Ligue Já’ era o que mais acontecia, alguns achavam que eu ficava no ar vinte e quatro horas!). Também temo pessoas que vem se achegando, te elogiando de guru, mestre ou não sei o que, normalmente tais pessoas tem segundas ou terceiras intenções. Devo lembrar que as energias espirituais, psíquicas, mentais e outras são destinadas a nós ao simples contato com o consulente. Ou seja, além da leitura, ainda precisamos administrar cargas alheias que, se mal destinadas, tornarão nossa vida um inferno!

Dos exemplos já citados, o que mais me preocupa são os pseudo tarólogos. Você se esmera durante anos para fazer um bom trabalho, rala horrores para chegar onde chegou, lê uma série de livros, realiza pesquisas, troca informações com outros profissionais para, no final, um “borra botas qualquer” aparecer e se assumir “tarólogo de primeira grandeza”. Já escrevi e expressei diversas vezes em fóruns, listas virtuais, artigos e outros, que considero, no Brasil, apenas doze o número de tarólogos PROFISSIONAIS. Porque, colocar carta e falar qualquer coisa, qualquer um sabe, resta saber se há propriedade e seriedade na prática. Há movimentos, hoje, que prezam pelo profissionalismo, ética e boas informações sobre a prática, mas, estranhamente, algumas desses indivíduos que empunham a bandeira de “um tarô de qualidade”, fazem exatamente o oposto: denigrem, agridem, ironizam e desqualificam a prática e outros praticantes. É mais ou menos o que ocorre com a bancada política de Brasília: querem gritar contra a corrupção, mas são os que mais cometem atos criminosos contra a Nação. Eu não sou qualificado para dizer o que um tarólogo deva fazer ou ser na sua atividade, mas existem algumas premissas que eu considero salutar – uma delas se chama respeito. Se você não respeita o seu colega de profissão (mesmo que não tenha a melhor relação social com ele), achincalha, humilha de todas as formas publicamente uma outra pessoa que exerce atividade igual, então, muito dificilmente o tarólogo respeitará o próprio consulente. Está ressurgindo essa cultura do “serei tarólogo porque eu posso ganhar dinheiro fácil” e vi muita gente afoita entrando e saindo da área porque não conseguiu se manter no mercado. Hoje, com os canais de informação mais refinados e o público mais exigente, você consegue se manter na crista da onda por dois motivos: por ser um bom profissional ou, simplesmente, por ter dinheiro. Normalmente quando o dinheiro acaba, a reputação vai junto, porque nenhuma parede se mantém firme se o cimento não for forte. Indivíduos que realizam um cursinho de fim de semana ou, simplesmente, surgem do nada e assumem-se repentinamente experts num assunto que, mesmo eu, me considero um eterno aprendiz, então, é muito mais ego do que conhecimento. Temo, nesse ponto, pela mácula incutida pelo mau uso da palavra “tarô” sendo associada a movimentos sórdidos, recheados de beligerância e revestidos de mau caratismo. Uma tentativa de destruir anos de sedimentação de valores e respeito à prática (e ao público) que alçou o nome do Brasil ao estrangeiro, atraindo o olhar de americanos e europeus que, há dez anos (no mínimo), sequer sabiam que existíamos. Aí alguém chega, assume-se o paxá no meio tarológico, dá uma de xeique intelectual e mentor das massas desinformadas, passa a tornar o “tarô” um veículo de autopromoção e influência puramente comercial, desenterra meia dúzia de mortos (pseudointelectuais) e diz que ‘vai dominar o mundo’ feito o rato com hidrocefalia de nome Cérebro. Sinceramente, eu não estudei anos a fio para ver meus esforços trocados por aqueles que, muito longe, podem sequer se chamados de cartomantes de esquina (com todo respeito à classe).

O discurso não bate com a prática e nem atitudes. Há muitos equívocos que permeiam o nosso universo e grande maioria desses erros é justificada pela falta de informações. Criar mega eventos, querer dar aulas pelo mundo, ser presidente de qualquer coisa, não nos torna maiores e nem melhores como tarólogos; se tem algo que sedimenta e abrilhanta a prática é o saber digno, o respeito mútuo, o discordar sem precisar humilhar, não tornar o tarô um meio para implantar celeumas ou fazer do assunto troça ou piadas de mau gosto, com a intenção de desmerecer o esforço alheio procurando agigantar-se quando alguns não passam de um “anão de jardim” desgastados pelo tempo e indignos de embelezar a cultura na qual estamos engajados. Fazer do tarô um instrumento de guerra é, certamente, motivo de fracassos, basta ver o que a história nos conta nesse sentido.

Sejamos profissionais dignos de levar, conosco, um pouco da história secular que honra a nossa classe, deixemos os papos de botequim para conversar amenidades na hora e local certos.

Comments are closed.

Enviar Mensagem
Deixe-me por escrito o assunto ou questão de seu interesse.